Museu Marítimo de Ílhavo
HOMENS E NAVIOS DO BACALHAU

Arquivo digital que documenta as campanhas bacalhoeiras desde o início do século XX

Prémio Octávio Lixa Filgueiras do Museu Marítimo de Ílhavo

15 de Novembro de 2014
Img 2146 1 772 9999

A segunda edição do Prémio de Estudos em Cultura do Mar Octávio Lixa Filgueiras do Museu Marítimo de Ílhavo distinguiu o trabalho “Apanhados na Rede: Considerações das noções de progresso e modernidade na comunidade piscatória de Porto Formoso”.

O júri, a que pertenceram os Professores Eric Rieth (Sorbonne, Paris I), Inês Amorim (FLUP), Miguel Filgueiras (filho do Arquiteto Octávio Lixa Filgueiras) e Álvaro Garrido (Universidade de Coimbra/Museu Marítimo de Ílhavo), decidiu declarar vencedor o trabalho da autoria de Amaya Sumpsi Langreo, natural de Madrid, residente em Lisboa e docente na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril.

Resultante de uma tese de mestrado em Antropologia e Culturas Visuais pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, este é um trabalho com uma abordagem muito original, claro no discurso e que resulta de um trabalho de campo na comunidade de Porto Formoso na Ilha de São Miguel. É um estudo que discutindo a relação entre a tradição e a modernidade, estimula releituras de paisagens culturais e impulsiona a valorização patrimonial das comunidades marítimas.

Nesta edição foi também distinguido com uma Menção Honrosa o trabalho “A Futura Unidade Museológica Marítima de Sesimbra: Contributos para a sua programação e para as suas relações com unidades regionais afins”, da autoria de Adelina Gomes Domingues, antropóloga e responsável pela área de Investigação do Ecomuseu Municipal do Seixal. Este trabalho mereceu a menção dado o contributo muito relevante que poderá trazer à museologia marítima portuguesa.

Álvaro Garrido, Amaya Sumpsi Langreo, Fernado Fidalgo Caçoilo, Adelina Gomes Domingues